Frases

domingo, 25 de setembro de 2011

ENTRAR NA PRESENÇA DO SENHOR?



  
Comumente percebemos, em algumas orações dos cristãos, a seguinte frase: “Senhor, queremos entrar em tua presença” ou “estamos mais uma vez em tua presença neste momento” geralmente no início dos cultos públicos e neles, às vezes também no início, cantamos coisas como: “Quero estar em tua presença”, “Leva-me em tua presença”, “Quero a tua presença”, “Meu Jesus, me leva pra perto de ti” e outras músicas que nos despertam a clamar por estar na (ou ter) esta presença (mesmo que por alguns minutos). São pedidos que, a princípio, parecem legítimos, contudo revelam alguns problemas, vejamos alguns:

1)      Falha na compreensão da onipresença do Senhor.
Como podemos entrar na presença do Senhor se Ele é onipresente, ou seja, está presente em qualquer lugar que se faz necessário? Ou como sair de sua presença? Para onde iremos para que isso aconteça, pois “Se subir aos céus, lá estás; se eu fizer a minha cama na sepultura, também lá estás. Se eu subir com as asas da alvorada e morar na extremidade do mar, mesmo ali a tua mão direita me guiará e me susterá” Salmo 139.8-10. Além do mais é dito que Deus é “Pai de todos, que é sobre todos, por meio de todos e em todos” Efésios 4.6. Uma grande dificuldade nossa está relacionada à nossa compreensão do espaço/tempo. Temos por natureza o entendimento de que tudo que é matéria ocupa um único lugar no espaço. Uma bola não pode estar em dois lugares ao mesmo tempo. Assim, temos a predisposição de imaginar sempre as coisas em um único lugar no espaço em determinado tempo, mas Deus é a exceção. Não porque Ele viola as leis da natureza, mas porque simplesmente Ele não é matéria, Ele é Espírito! Ele se relaciona com tudo em toda parte. Ainda mais que isso, Ele é imenso! Isso significa que Ele abrange, preenche e até mesmo excede o espaço todo! (Não pense nisso em termos materiais). Então, fica totalmente sem sentido quando, às vezes, imaginamos que estamos indo para a igreja porque Deus estará lá naquele momento. Ele não está, de forma alguma, limitado exclusivamente àquele espaço/tempo. Devemos pensar como Salomão que ao dedicar um grandioso templo ao Senhor, há muito tempo atrás, teve a capacidade de pronunciar: “Mas será possível que Deus habite na terra com os homens? Os céus, mesmo os mais altos céus, não podem conter-te. Muito menos este templo que construí!” 2 Crônicas 6.18. Não tentemos encaixotar Deus em nossos templos e nem mesmo em nossos horários de culto, isso contraria a própria natureza do Senhor.

2)      Falha na compreensão da realidade de Deus em nós e nós em Deus.
“E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, não pertence a Cristo”. Romanos 8.9. “Acaso não sabem que o corpo de vocês é santuário do Espírito Santo que habita em vocês” 1 Coríntios 6.19. grifo meu. Primeiramente, se alguém não tem o Espírito não é de Cristo, mas se alguém é de Cristo tem o Espírito Santo, ou seja, tem a presença permanente de Deus que, posteriormente é dito em Coríntios, habita em nós. Somos casa, morada, habitação do próprio Deus! Essa habitação não é um contrato de aluguel simples em que num determinado momento Deus pode ser “despejado”! O “contrato” garante uma moradia permanente de Deus. Como, então, entrar na presença dEle se Ele já está em nós? Mais ainda, somos também batizados, ou seja, imergidos, dentro de Deus em Cristo Jesus. Somos parte do corpo de Cristo. Temos que entender que Ele está em nós e nós estamos nEle.

3)      Falha na compreensão da adoração ao Senhor.
“Deus é espírito, e é necessário que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade” João 4.24. O contexto dessa frase de Jesus se refere ao diálogo dEle com a mulher samaritana. O tema passou a ser adoração. Ela estava toda confusa, pois não sabia onde adorar. A adoração estava limitada a lugares! Que pensamento pobre! O grande ensino do Senhor Jesus foi que a adoração estava mais limitada há um lugar, o que mais importava era como ela estava sendo feita. É em espírito? O que importa é a realidade espiritual em oposição rituais materiais? É em verdade em oposição à hipocrisia e falsa santidade? Essas qualidades da adoração de ser espiritual e em verdade, portanto, não podem ser restritas a momentos. Adorar também significa servir. Assim, nosso serviço ao Senhor também não está restrito a lugares ou a momentos. Devemos servir a todo instante e em qualquer ambiente. Portanto, não adoramos só quando “entramos na presença do Senhor”, mas o adoramos em todo momento e em toda extensão de nossa vida. Assim, da mesma forma que é estranho pedirmos para “entrar” na presença do Senhor, também deveria ser estranhoa firmarmos que “viemos aqui para te adorar”!

4)      Confusão entre “experiência” e presença.
Alguns podem criticar e até mesmo contestar tudo isso afirmando veementemente sobre um agir todo especial de Deus nos momentos de culto público. Então, realmente a presença de Deus está lá naquele momento, afirmariam. Não queremos discutir se Deus está ou não. O que precisamos pensar é se existe alguma diferença entre “experimentar” e ter a presença de Deus. Claro que sim. Uma coisa é ter a presença como uma realidade inabalável, outra é ter percepção da ação em nós produzida por esta presença. Não precisamos sentir algo para afirmar que existe. Não precisamos pegar num fio descascado e levar um choque só para mostrar que por ali passa uma energia elétrica invisível. Do mesmo modo, não é necessário termos contínuas explosões de êxtase para sabermos que Deus está presente em nós. Muitas coisas são operadas em nós sem que tenhamos percepção, por exemplo, a justificação não é algo que alguém pode sentir em determinado momento. Quando você foi justificado por Deus o que ocorreu? O que você sentiu? Você sabe precisar quando foi isso? E quanto à santificação, o que você sente diariamente que mostra a santificação progressiva da sua vida? Algumas dessas ações não precisam ser sentidas para que existam. Assim também a presença permanente de Deus não precisa, necessariamente, ser sentida continuamente para ser verdadeira. Agora, é claro que em alguns momentos ocorrem o que chamam de “experiências” com Deus. É natural, pois não conhecemos a Deus plenamente e em alguns momentos somos abençoados com um aprendizado ou relacionamento específico. Mas isso não significa um acender e apagar da presença de Deus, antes significa que dentro de um relacionamento presencial de Pai e filho desfrutamos de alguns momentos especiais.

5)      Espiritualização de um momento em detrimento de uma vida.
Um dos maiores problemas de se pensar em “momentos” na presença do Senhor é que isso se contrapõe a todo o resto de nossas vidas. Se a presença do Senhor “aparece” por alguns momentos, o que fazemos com o resto de nossa vida sem essa “presença”? Por isso entendemos, muitas vezes, a dificuldade dos cristãos em honrar a Deus em seus lares, seus trabalhos, seu lazer, seus relacionamentos, afinal de contas, a “presença de Deus” não está lá mesmo! Contudo, a Bíblia nos ensina: “façam tudo para a glória de Deus” 1 Coríntios 10.31. Fazer tudo para a glória de Deus significa que tudo que eu fizer deve manifestar a presença dEle em mim! Tudo é tudo mesmo. Meu pensar e agir tem que ter o objetivo de glorificar a Deus.

É claro que não para por aí. Contudo, estes problemas já nos dão a idéia do prejuízo que sofremos em manter um pensamento distorcido como esse, por mais simples que pareça. Claro que eventualmente dizemos algumas frases desse tipo por mera força de expressão, mas, o que muitas vezes ocorre é que este conceito, de “entrar na presença do Senhor” fica enraizado realmente na mente de muitos cristãos que passam a orientar suas ações nesta base. A esses, então, é direcionado este texto com a pequena intenção de fazê-los refletir um pouco mais sobre o assunto a fim de cresçam em seu relacionamento com o Senhor. Que Deus nos abençoe.




Nenhum comentário: